terça-feira, 26 de novembro de 2013

A sorte



 



A sorte 
 

bate pernas, a fugir:
teimosa, se esconde de ti
[volta, aparece - e sorri]



Eliana Mora, 25/11/13

4 comentários:

  1. É tão rápida ela...

    Abração do Pedra....

    Venha nos visitar de novo: www.pedradosertao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e como é...

      Outro abraço!
      [e obrigada pela visita]

      Eliana

      Excluir
  2. Imprevisível, inacessível, inegociável, a sorte resta mesmo um mito... insaisissable.

    Esta tela de Dalì fez-me pensar numa "mão feliz". Excelente escolha, Eliana.

    Carinhoso abraço,
    André

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão...os intrincados" teares" que desconhecemos....são confusos!
      Que bom receber teu comentário, André!

      Um beijo, da
      Eliana

      Excluir

a poesia agradece

A Nostalgia parece areia