sábado, 29 de maio de 2010

C o n c i s ã o



C o n c i s ã o




Ao versejar,
(con)verto o mundo
- em uma gota.



Eliana Mora, 28 de maio/2010

12 comentários:

  1. ...derramada no mar, transforma o oceano em pura poesia.

    Beijos, querida El.

    ResponderExcluir
  2. Lindo espaço...


    Agradecido pela visita ao Rembrandt

    Retornarei com frequência

    abraço!

    ResponderExcluir
  3. É verdade querida...a poesia, verte diversas gotas de água que enchem oceanos.
    Adorei. Excelente.
    Bji amigo

    ResponderExcluir
  4. ...Rembrandt divino!

    Eu agradeço, da mesma forma! Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela visita, Teca, sim, a gota que fabricamos com nosso sentimento [puro]

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Eliana,
    Descobri seu blog pelo blog do Domingos, "Fogo Maduro", e que boa descoberta, que proposta interessante!
    Já começo a ler e já sigo.
    Fica o convite a conhecer meu Empirismo Vernacular, ler e seguir.
    Abraços,

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Olá Eliana!

    Parabéns pelo blog!

    Em três linhas dizes muito.
    Gostei bastante.

    Oxalá, se me visitas, os meus Estados de Alma também te agradem.

    Um beijo desde Portugal.

    ResponderExcluir
  9. Decerto que conhecerei teus inquietos 'humores' e tua poesia...

    abraços
    Eliana

    ResponderExcluir
  10. Pois é. Acho que foi baseado nessa idéia que Willian Blake escreve o célebre

    "To see the world in grain of sand
    and eternity in an hour
    Just hold infinity in the palm of your hand
    and heaven in a wild flower"

    ResponderExcluir
  11. sim, se pensarmos na 'conversão' que nossa alma e sentimentos podem fazer das coisas - como 'o infinito na palma das mãos' -, citado por ti.

    abraços. El

    ResponderExcluir

a poesia agradece

Avesso