quarta-feira, 1 de julho de 2015

Muito, muito Esfinge


Muito, muito esfinge



Teus olhos queixam-se aos meu
s 

intensos, estranhos.
[não pude entender o braille]


Eliana Mora, dois/abril/2005
[Baú]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

a poesia agradece

Avesso