sexta-feira, 23 de julho de 2010

No Firmamento


No firmamento



Novos versos no azul.
Até os flaps de pesadas aeronaves
curvam-se_a eles.


Eliana Mora, sem data
série "No Firmamento"/para meu pai
seis anos sem ti

8 comentários:

  1. versos sem pouso. não há aeronave que os acompanhe.
    bjs.

    ResponderExcluir
  2. pode ser; mas para mim, ele pode - seja de onde for -
    fazer-se ouvir.

    beijo.

    ResponderExcluir
  3. E hão de curvar-se
    como mudam de fisionomias
    as nuvens...

    Carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  4. ante sua beleza...
    a reverenciá-la
    [e a mudar de côr

    ResponderExcluir
  5. Versejando
    Verde-terra
    Verdejando
    Chão-quimera
    Ando nuvens
    Céu azul...

    ;)

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Rafael, bom vê-lo por aqui!

    beijo!

    ResponderExcluir

a poesia agradece

Segunda chance