terça-feira, 18 de maio de 2010

O Cipreste



O Cipreste



surdo e solitário,
surpreende-se com o mundo
a seu redor.




Eliana Mora, março de 2003
Dedicado a Vincent Van Gogh

10 comentários:

  1. O cipreste chora
    com o vento nos olhos
    e lágrimas nos lábios.

    ResponderExcluir
  2. Ê, voltou! Eu estava com saudades de ler seus textos...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. José Carlos

    chora
    com a imagem do seu criador
    ó criatura...

    beijo

    ResponderExcluir
  4. QUERIDA

    Que bom apareceste

    Mas aguarda só 1 pouquito, estou em Juiz de Fora, a ainda sem Net
    Mas tá acabando a espera...

    meu lugar é junto ao re/verso

    beijo.

    ResponderExcluir
  5. Eliana
    Que coisa mais linda são os teus versos e teu blog!
    Que bom que te encontrei!
    Voltarei sempre...
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Ô, Zélia, que bom ver isso!
    Volte, que serás bem acolhida, sempre!

    beijo!

    ResponderExcluir
  7. A proposta do blog em 'quase tercetos, quase haicais" é assustadoramente interessante! Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Tu me enches de alegria assim, homem!
    Bem, fica o nome do Poetrix assim, 'assustadoramente' divulgado...qualquer coisa é só falar! E obrigada pela adesão!

    beijão
    El

    ResponderExcluir
  9. E mesmo assim é imponente e belo.
    A concisão é tua arte falando da arte.

    abraços

    ResponderExcluir
  10. Mai

    con/ciso e alguma loucura...

    beijo, obrigada!

    ResponderExcluir

a poesia agradece

Sobrevoar